Calcedonio

Calcedônia

A calcedônia é mais uma rocha do que um mineral bem definido. A composição da pedra é bastante singular, pois é composta por uma variedade criptocristalina de quartzo, de tamanho diminuto e disposta em fibras na rocha. A calcedônia, cuja fórmula química é SiO2, geralmente contém traços de moganita. Possui um sistema cristalino trigonal com uma fratura irregular. A pedra geralmente ocorre em forma maciça ou em estalactite. Tem um brilho fosco a sedoso, sua densidade é 2,6 e sua dureza é em torno de 6,5-7 na escala de Mohs.

A calcedônia é geralmente de cor branca leitosa a acinzentada com tons de branco, azul ou verde. A inclusão de outros metais e elementos químicos como ferro ou níquel pode alterar sua cor e dar à pedra uma ampla gama de cores. Ônix, ágata, cornalina, cornalina, jaspe, entre outras gemas e pedras preciosas, são subespécies pertencentes à família da calcedônia. Os joalheiros identificam a calcedônia como uma pedra monocromática e translúcida de cor branca ou branca azulada. Mesmo sendo de baixa porosidade, a calcedônia pode ser colorida (processo aceito em joalheria) para intensificar sua cor.

A calcedônia é produzida em diversos países incluindo Brasil, Estados Unidos, Canadá, Bélgica, França, Itália, Argélia, etc...

calcedoína-bruto
História da calcedônia

A palavra calcedônia deriva do nome de uma cidade na Ásia Menor: Calcedônia, ou Khalkedon em grego antigo. A pedra era muito apreciada e procurada desde os tempos antigos. Os antigos egípcios o esculpiram em figuras de besouros. Usados como amuletos sagrados, eles acreditavam no poder da pedra para ajudar os mortos a passar no teste do julgamento na vida após a morte.

Entre os romanos, a calcedônia era uma pedra ornamental muito valiosa. Era frequentemente usado para fazer joias e entalhes, sem mencionar seu uso na confecção de amuletos mágicos. Entre os babilônios, a calcedônia foi usada para criar selos cilíndricos. O Antigo Testamento também menciona a calcedônia como uma das pedras que incrustaram a armadura de Aarão e na Bíblia é até dito ser a pedra associada ao apóstolo André. Em quase todas as grandes culturas, a calcedônia recebeu poderes extraordinários. Também tem sido frequentemente atribuído às principais divindades dos vários panteões antigos.


Virtude da calcedônia

Considerada uma das pedras mais macias da litoterapia, a calcedônia tem virtudes calmantes. Trazendo calma e alívio onde reinava a negatividade e o excesso. No nível físico, a calcedônia teria benefícios no tratamento de doenças da garganta e da laringe. A tireoide e as glândulas hormonais também se beneficiariam da ação da pedra, principalmente quando se trata de regular as secreções hormonais. A calcedônia é particularmente adequada para mães que amamentam, pois estimula a lactação. Mesmo as mulheres que sofrem de menopausa difícil podem encontrar algum alívio mantendo a calcedônia à mão.

Em um nível psicológico, a calcedônia é um baluarte perfeito contra a negatividade dos sentimentos e pensamentos. Seria perfeito substituir qualquer coisa que afete negativamente o corpo e a mente por sentimentos de calma e abertura em nível relacional e espiritual. A calcedônia promove o florescimento do corpo e da mente. Alguns não hesitam em chamá-la de pedra da felicidade.

No nível cármico, a calcedônia atua no chakra da garganta, facilitando a dicção e aliviando os problemas de fala e gagueira. Ideal para expressão pública, dá ao usuário coragem e clareza ao seu discurso.

Os signos astrológicos mais favoráveis à calcedônia são os signos de Câncer, Gêmeos e Sagitário. Sob outras cores a pedra pode ser adequada para outros signos.

Para purificar a calcedônia, alguns recomendam colocá-la em água corrente por alguns minutos uma ou duas vezes por mês. Para outros, deve ser colocado em água destilada levemente salgada. Quanto ao carregamento da pedra, os raios do sol seriam perfeitos para essa tarefa.

Voltar para o blogue
1 de 4